Adoro cabelos vermelhos. Além de serem assumidamente tingidos e corajosos (não é todo mundo que sai por aí com a cabeleira cor de alerta), eles têm um lado mágico e mitológico, por remeter a feiticeiras e bruxas, a mulheres especiais.

Quando era pequena, adorava ver os filmes clássicos com a minha mãe e minha avó e me encantava com as divas e os figurinos luxuosos. Aí, conheci Rita Hayworth, que considero até hoje a mulher mais linda de todos os tempos. Minha avó tinha várias fotos dela mesma imitando os penteados de Rita, com pose diva e tudo: olhando para o horizonte, rosto meio de lado e meio sorriso. Rita era ruiva.

gilda.jpg

Ao mesmo tempo em que ia vendo os filmes e adorando os figurinos, comecei a me interessar por moda e passei a desenhar croquis em personagens. Teve a época em que eu colocava os vestidos na Betty Boop, depois, lá pros 10 anos, passei a colocá-los na Jessica Rabbit, que foi inpirada em várias atrizes, dentre elas … Rita. A personagem era fácil de desenhar e, claro, casava com a minha idéia de roupas dos sonhos: vestidões, caudas, cetim, fendas, cinturas marcadas e muito tomara-que-caia. No filme, ela dizia: ” Não sou má, apenas fui desenhada assim”. O máximo.

roger-rabbit-2-web.jpg

Dez anos depois, vi o filme Corra Lola Corra e adorei o visual dela: urbano e utilitário e os cabelos picotados, cor vermelho-pilot.

corralolacorra.jpg

Quando a Net entrou na minha vida, eu passei a ver direto Arquivo X. Vai dizer que Scully acharia algum ufo sem ser ser ruiva? Claro que não.

scully.jpg

Depois, me viciei na Sony e aí temos The 70´s show e Desesperate Housewifes. Donna é a personagem mais maneira do 70´s e a Bree é a mais esquisita de Desesperate (e por isso as histórias dela são bem bizarras).

70.jpg

bree.jpg

Por aqui, temos Rita Lee, eterna mutante, mas sempre ruiva. 

ritalee1.jpg 

Hoje, descobri as ilustrações de Fabrini, que pelo visto também acha lindo madeixas cor de fogo.

marienkafer_by_fabrini1.jpg

Acho que preciso pintar o cabelo.

Anúncios