Se está querendo se desfazer de alguns livros, você pode entrar na onda do bookcrossing. A idéia é transformar o espaço público em uma grande biblioteca: os participantes deixam os livros em bancos de rua, hotéis, restaurantes e qualquer pessoa pode pegá-los. Mas, a coisa toda é organizada: você se cadastra no site e registra as obras que quer deixar na natureza. Você recebe então um ID para cada livro que vai doar e ese número deve ser colado em uma etiqueta ou ser anotado à mão mesmo.  Os organizadores – Ron Hornbaker, Bruce Pedersen e Heather Pedersen -pedem que também seja incluído no livro um bilhete contando mais sobre o projeto e convidando seu novo dono a entrar no site e dizer que encontrou aquele título. Pelo site, os participantes ainda podem se comunicar uns com os outros e combinar trocas de livros pelo correio.

Aqui no Brasil, a prática ainda é nova. A RP Helena Castello Branco consultou os criadores do movimento e fundou uma Zona Oficial de Troca de Livros (OBCZ, em inglês), em SP. A exigência principal é simples: o local precisa ser aberto ao público. Além disso, o voluntário deve acompanhar o movimento sempre que puder e tentar captar novos livros.

Entrando no site, vi que no Rio de Janeiro, atualmente, são 36 livros circulando. A maioria está no Lunático (endereço embaixo), que é uma zona oficial. Dentre as zonas não oficiais estão o ônibus 415 e a Praça Saes Peña. Mas, se liga: o livro que foi deixado na Saes Peña foi um … Sidney Sheldon.

Alguns números do bookcrossing:
(fonte: BBC)

• 662.463 pessoas de 130 países cadastradas
• 3.700 trocadores de livros oficiais no Brasil, sendo que 1.600 são de São Paulo
• 4.688.540 livros registrados
• 25 livros à solta no Rio de Janeiro ainda não foram encontrados ou registrados

Zonas oficiais de bookcrossing no Brasil:

Rio de Janeiro
Lunático Café e Cultura
Rua Visconde de Carandaí, 6, Jd. Botânico
Tel. (21) 3114-0098

São Paulo
Bar e Restaurante Central das Artes
Rua Apinagés, 1.081, Perdizes
Tel. (11) 3865-4165

Anúncios