fita

Quando meu pai deixou eu mexer no som dele pela primeira vez, pensei: I´m free. Depois do colégio, ficava esperando minhas músicas preferidas tocarem no rádio, gravava minhas fitinhas (era uma emoção) e editava meus lados A e B. Quando aparecia a vinheta da rádio no meio da música, eu nem me importava tanto. De aniversário, dava fitas personalizadas para minhas amigas, todas decoradas com recortes de anúncios de revista ou pedaços daquelas laterais das páginas emolduradas da Capricho.

 Daí, quando vi o Tapedeck, tive um momento recordar é viver. O site é dedicado à nostalgia dos cassetes e conta com contribuição dos leitores para aumentar o seu acervo de imagens. Como ele mesmo explica: There’s an amazing range of designs, starting from the early 60’s functional cassette designs, moving through the colourful playfulness of the 70’s audio tapes to amazing shape variations during the 80’s and 90’s. We hope you enjoy these tapes as much as we do!

No Tapedeck, além de fazer um passeio no tempo através das imagens, você conta com um breve histórico das fitinhas, popularizadas pelo Sony Walkman, gadget mais vendido da história. Atrás dele, está o iPod, que já é o aparelho mais vendido em menor espaço de tempo.

Anúncios