Quando John Hughes morreu, semana passada, acompanhei tudo via twitter. Muitos filmes dele, super sessão da tarde na minha vida, estão nos meus top.

Posso começar pelo A Garota de Rosa Shocking, com a Molly Ringwald, ícone-mor e cool da minha adolescência.  No filme, ela não tinha grana e morava com o pai. Mas, ia super estilosa para o colégio, bela e ruiva, com as roupas que ela mesmo fazia.

Fiz uma coleção, na faculdade, totalmente inspirada na pink girl, que, no filme, namorava o bonitinho embaixo e tinha um melhor amigo super descolado e divertido, o Duck , – que era apaixonado por ela -, vivido por John Cryer (que faz Two and a Half Men)

mollymolly2

 

 

 

 

 

 

 

 

 

johnDuck, bem 80´s

Curtindo a Vida Adoidado foi o filme que mais vi na vida: 15 vezes. Gravei em VHS e via com as amigas e com minha irmã, nas muitas tardes livres, depois da aula. Vi tanto que sabia até as falas de cor. Os personagens Ferris e Cameron eram os amigos mais improváveis e mais bacanas do mundo: um descolado e o outro, total retraído e perturbado. Excelente. Matar aula com namorada e melhor amigo e ter um dia inesquecível .. que adolescente não sonha com isso?

ferrisferris2

 

 

 

 

 

 

 Curtindo a Vida Adoidado

Alguém Muito Especial é outro dos meus tops e é menos conhecido. Volta e meia cito esse filme e ninguém lembra. A personagem Watts, baterista e mecânica tem como melhor amigo Keith, de quem é a fim e que, por sua vez, claro, é a fim da bonitona do colégio, Amanda.  A cena do beijo de Watts com Keith é um cláaaasico. Ela descobre que ele nunca beijou ninguém e… pronto: resolver ensinar o rapaz. Watts rules.

Essa sensibilidade em fazer filmes para adolescentes, com as questões sentimentais que sempre envolvem essa época da vida e que são comuns a todos, independente de onde nasceu e de onde vive, era o grande talento de Hughes. Vejo seriados como Barrados no Baile e Melrose como derivados diretos do que ele pôs nas telas. Hughes ainda fez o famoso Clube dos Cinco e Gatinhas & Gatões.

Tem um texto aqui  da Molly falando sobre Hughes. Os dois não se falavam há anos, desde que ela decidiu não atuar mais em seus filmes. Num trecho, ela diz:

“John saw something in me that I didn’t even see in myself. He had complete confidence in me as an actor, which was an extraordinary and heady sensation for anyone, let alone a 16-year-old girl. I did some of my best work with him. How could I not? He continually told me that I was the best, and because of my undying respect for him and his judgment, how could I have not believed him?”

* O título do post é uma frase tirada de Clube dos Cinco.

Anúncios