Adoro filmes de época. Sou viciada desde que mami me iniciou com sessões de SissiE o vento levou… e outros do gênero. Adoro os figurinos, bailes, palácios, jardins e salas intermináveis e todo o mistério que ronda a nobreza e suas relações:  artimanhas políticas, convenções sociais e relacionamentos conturbados.

Hoje, vi The Young Victoria, um filme que realmente merece ser visto por quem gosta desse estilo: o roteiro passa longe de ser cansativo, as roupas são de passar mal e, porque, como a gente gosta (e nem sempre acontece nesses filmes), a mocinha tem um mocinho digno.

Victoria assumiu o trono aos 18 anos. Casou-se com o príncipe Albert, que procurou-a num primeiro momento por questões políticas, mas terminou apaixonando-se por ela logo no primeiro encontro. Eles ficaram juntos até Alpert falecer de tifo, aos 41 anos. Segundo o filme, Victoria continuou todos os dias arrumando as roupas dele, até o dia de sua própria morte, com 81 anos. Amor é amor.

Durante o tempo que reinou, foi grande incentivadora das artes (motivada por Albert). Um dos grandes exemplos seria a abertura do Victoria and Albert Museum, mais conhecido como V&A, em 1852. Hoje, mais de mil anos de história estão representados nas galerias.

Fotos: blog Big Trip

Victoria teve o reinado mais longo da história – de 1837 a 1901 – e foi sucedida por seu filho Eduardo VI, que deu início ao período Eduardino.