O Rio Comicon começou na terça-feira e vai até amanhã, com uma série de mostras de quadrinhos independentes e palestras. O convidado especial do ano é Milo Manara, que ganhou uma sala especial no evento, que está rolando na Estação Leopoldina.

A sala de Manara, com seus desenhos impecáveis

As mulheres sexies + desenhos inpirados em Fellini

Dos quadrinistras independentes que eu não conhecia, os que mais me chamaram a atenção foram André Kitagawa, Mateus Acioli, Patrice Killoffer e Lucas Nine. Dos conhecidos (por mim), além de Fabio Moon e Gabriel Bá, estava o amado Fabio Lyra e sua Menina Infinito.

André Kitagawa

Infinitices do Lyra

A narrativa em espiral de Patrice

Uma mesa de ilustrações acontecia paralela ao evento, perto dos trens. Você pedia um desenho para o cartunista e ele fazia na hora. Ou seja: além de acompanhar os minutos de pensamento, você via ali o making of e levava na hora para casa a ilustração. Voyeurismo um pouco sob pressão pela fila. Mas, válido. Saímos de lá com um mega presente: uma ilustração de Mutarelli.

– A gente pensou em alguma coisa para nós 2… a gente por dentro… ou ao avesso.

– …. por dentro, né? (olha para um, olha para outro).

– É…

(desenha, desenha)

– Vocês vão voltar amanhã? Porque o que vocês pediram é muito complexo… de repente eu termino no hotel e trago.

– A gente não tinha pensado em voltar, mas podemos voltar, claro. Prefere?

– Uhn… vamos lá, vamos tentar agora. Eu precisava de mais tempo, mas vamos tentar.

(desenha, desenha)

Resultado:

Nós, por dentro, por Mutarelli

Tem uma cobertura diária do evento, pela Liv Brandão, no blog Gibizada.