Ir a SP é sempre um misto de cinza com flashes de luz. Chego lá, não curto a temperatura, de cara fico resfriada e com alergia, mas ao mesmo tempo me sinto como a garota que chegou do interior e caiu na cidade grande. A imensidão da cidade, a variedade de assuntos, editoriais prontos no asfalto, vitrines novaiorquinas e restaurantes incríveis (li que são 12.500 na capital) me intriga e quase engole. Só que dessa vez foi diferente. Fiquei com vontade de ficar mais. Talvez seja a especulação imobiliária carioca-zona-sul que esteja me afligindo – quando a gente se depara com muitos prédios novos ou bem conservados e muitas áreas bacanas para se viver, além de ofertas dignas de bons restaurantes, vemos como estamos por aqui cercados e limitados. Talvez seja porque os contatos e os business, agora, pareçam interessantes. O fato é que pretendo voltar e ficar mais, assim que a agenda der uma trégua. Passar férias, sabe? Ao contrário da casa no campo, um flat na cidade. Taí, uma boa idéia pra próxima escala.

Nesses dias que fiquei por lá, fui na sempre obrigatória Galeria Melissa e conheci, finalmente, a Choque Cultural. Na primeira, ainda está rolando aquele paredão incrível de post-its, que hoje estão preenchidos e decorados com recados e declarações de puro amor. Só o tamanho daquela entrada e as cores já me deixam feliz.

Logo no início

Com os recaditos


Na Choque, encontrei o trabalho do João Lelo logo na fachada. E, quando entrei… bah. Duas gravuras do Samuel Casal que ficariam perfeitas para decorar nosso quarto. E, fora isso tudo, muitos trabalhos bacanas da nova geração sendo comercializados por preços ótimos: em torno de R$150 as gravuras pequenas e R$300 as maiores. Puta incentivo à arte, meu.

Entranha + Mau = xilos por Samuel Casal

 

Para finalizar, conheci a tão falada Tag&Juice, espaço incrível tocado pela dupla Billy e Pablo. Além das bicicletas-carro-chefe, óculos da Evoke, chapéus da Brixton e muitos outros produtos para ver e consumir. No dia que fui, estava rolando um get together, com cerveja gelada, bom som e uma raridade: pessoas relaxadas, integradas, a fim de participar daquele momento. Entrei e fiquei à vontade.