Uma discussão nunca é simples. Quando falamos demais, alguém pode se machucar. E quando falamos de menos, idem. E cada assunto puxa outro, que lembra outro… e o buraco negro se forma. O fato é que tudo que trazemos de bagagem pode vir à tona em uma frase atravessada ou uma atitude reativa/defensiva a uma observação/opinião transformada em verbo.

Deus da Carnificina (de Polanski) fala sobre isso tudo ao mesmo tempo. Fala sobre personalidades, opiniões, divergências, cumplicidade, julgamentos, reações. Sobre como uma situação cordial pode ser o grande disfarce do impasse. 

Assim como alguns filmes do mestre Hitchcock, o filme todo passa-se dentro de um mesmo ambiente: uma sala de estar onde dois casais fazem um contato cordial, para amenizarem  uma briga entre seus filhos. Ali, tudo que eles procuravam resolver de forma amena vira uma tempestade. Os casais são vividos por Kate Winslet + Christoph Waltz e John C. Reilly + Jodie Foster. 

O trailer oficial está aqui: