Depois de uma longa espera, finalmente vi Drive. Bom, as conclusões resumidamente se sobrepõe (não se complementam): roteiro fraco, mas um ótimo personagem protagonista. Além da boa chance dada ao silêncio pelo personagem-fetiche-principal, a atuação de Ryan Gosling é deluxe.

Engraçado encontrar os arquétipos de herói nas poucas palavras e olhar triste, à la James Dean, enquanto ultimamente andamos acostumados a escândalos e muita luta. Para reforçar a aura sonhadora, ele é um justiceiro, sem grandes motivos para viver, sem rosto, com alma, movido à ação: é piloto de fuga, atua como dublê de corridas, trabalha em uma oficina e termina por se meter em uma grande confusão por…amor.

Enquanto ele acontece, o que não acontece é o entorno: mafiosos-clichê, coadjuvantes sem graça, histórias rasas. Não sei, a expectativa era de um grande filme. Mas, só consegui ver um grande personagem/ator.